domingo, 18 de julho de 2010

Receptores de Dopamina

Antes de explicar o funcionamento das variadas drogas que agem no sistema dopaminérgico, é interessante explicar como funcionam os disparos dopaminérgicos e o estímulo nesses neurônios.
Existem dois tipos de liberação de dopamina:

A liberação fásica é a liberação em grande quantidade de dopamina na fenda sináptica, estimulando os receptores pós-sinápticos. Depois disso, os neurotransmissores são removidos pela ação dos transportadores(DAT), antes de passar para o espaço extra-celular. No vídeo abaixo é possível ver a liberação e a recaptação feita por transportadores.





A liberação tônica indica os níveis de dopamina extracelular, e contribui também para regulação da liberação desse neurotransmissor. Isso ocorre pois existem auto-receptores no neurônio que, ao ativados, regulam a atividade da enzima TH (leia mais em Um pouco de Dopamina).

Os dois principais receptores de dopamina são chamados D1 e D2, sendo o segundo grupo o principal alvo dos antipsicóticos. Eles encontram-se distribuídos de acordo com as vias dopaminérgicas e suas funções. Os auto-receptores podem existir no soma, nos dendritos e nos terminais nervosos das células. Os estímulos que acontecem nos terminais inibem a síntese e liberação de dopamina, enquanto os estímulos no soma diminuem a taxa de disparos.

Agora que já sabemos como funcionam os estímulos de dopamina, podemos entender o vício em cocaína, por exemplo. Mas... será explicado em um próximo post!

Um abraço, e até mais!

Caio César Carvalho – MED 91

Referências Bibliográficas:
http://www.inec-usp.org/cursos/cursoI/aspectos_neuroqu%EDmicos_dopamina.htm
http://users.med.up.pt/cc04-10/Farmaco/auladesgravadadopamina1.pdf
http://www.psiqweb.med.br
http://www.cerebromente.org.br/n12/fundamentos/neurotransmissores/neurotransmitters2_p.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário